Entre vírgulas e dois-pontos: Clarice.

Qualquer um que me conheça minimamente sabe de minha adoração por Clarice Lispector e seus livros e sua linguagem. Tenho um apreço especial por uma obra: “Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres”. O romance traz uma protagonista, Loreley, que, em busca de si mesma, conhece Ulisses, um professor de filosofia, e passa a aprofundar…

O que você já deixou de fazer por ser mulher?

Quando a Carol me propôs uma resposta a essa pergunta, eu senti, inicialmente, que seria muito fácil respondê-la, afinal, passei parte de minha vida até aqui convivendo diariamente com uma série de limitações por conta de meu sexo e do meu gênero. Entretanto, depois de fazer as fotos e pensar profundamente no que eu gostaria de…

O cabide que nos cabe

Em um desses encontros sociais inevitáveis, ouvi a seguinte assertiva: “Nossa! Você troca de marido como quem troca de roupa.”. Essa saia-justa, apesar de não me surpreender, deixou-me reflexiva ao analisar os elementos colocados em comparação na sentença – “marido” e “roupas”. Cheguei a duas conclusões simples. Maridos são como objetos (com preço, variedade de…

De quantas solidões se constitui o dia?

O maior abismo do mundo é a profundidade que carregamos no coração. Ruídos, sussurros, gemidos, sombras e lágrimas constituem um conjunto de sensações que se acomodam dentro do mais profundo silêncio de nossa solidão. Há solidão no acordar. O despertador toca, o corpo reclama, o cérebro tenta agarrar-se à última fagulha do sonho, os olhos…

Parem de nos matar aos poucos.

No ano passado, a vítima foi uma adolescente de 16 anos, estuprada por 33 homens. Em 2017, a vítima é uma menina de 12 anos. Vivemos em um país com a trágica estatística de 1 estupro a cada 11 minutos.  E esse é o resultado de uma sociedade construída com sexismo, machismo e opressão. A cada vez que uma mulher…

Precisamos de caveirões?

Vivemos o resultado de uma sociedade com poucos (e quiçá maus) leitores. A descoberta de modelos prontos de dissertação argumentativa – conhecidos como “caveirões” – no último Exame Nacional do Ensino Médio representa as agruras que temos carregado no processo educacional dos estudantes na última década: excesso de informações e escassez de senso crítico. Com a ampla concorrência…

Zapeando o mundo líquido

Zigmunt Bauman defende que o mundo pós-moderno está em sua máxima potência líquida. A sociedade, praticamente, escorre pelo ralo todos os dias um pouquinho. Essa liquidez tem a ver com a velocidade dos fatos, das informações e das relações. As pessoas estão muito menos complexas e bem mais superficiais. Falando assim, parece apenas que repito…

A extremidade rasa

Nos últimos dias, meu amor por minha profissão anda dilacerado por uma insistente tentativa de limitação de minhas ideias. Não consigo ficar calada/sufocada. Os pontos de meus questionamentos são: o que é considerado certo ou errado? Os Direitos Humanos não são parâmetros universais para embasar argumentos? Como explicar a diferença entre opinião e preconceito diante…

Putas e santas

Porque não sei me calar diante da alusão de que meu corpo é um objeto para uso e abuso de quem queira. Porque não admito que me olhem como se me despissem. Porque não aceito ser ofendida se uso roupas curtas e/ou decotadas. Porque a violação do meu corpo só depende de minhas escolhas e…

A voz da ocupação estudantil

“Eu entrei no Colégio Pedro II em 2011. O que isso significa para vocês? Nada. O que significou para mim? Tudo. O Colégio Pedro II transformou a minha vida. Sou um morador da Baixada Fluminense que teve a oportunidade de ingressar em um colégio federal. Em 2016, estou ocupando o meu colégio, porque preciso que…

Porque já era antes de ser.

“Minha filha, por que você escolheu ser professora?”. Essa pergunta que meu pai me fez há pouco mais de dez anos, quando passei no vestibular, ainda não tinha uma resposta clara e objetiva. Era apenas um anseio do meu coração: “Eu admiro meus professores, pai. Quero ser como eles”. Eu não poderia saber, passados nove…

Carta aberta ao ex-presidente Lula

Rio de Janeiro, 16 de março de 2016. Estimado presidente, Estou confusa. As últimas semanas têm sido atordoantes para aqueles que, como eu, viveram a juventude dos anos 2000 e acompanharam de perto sua trajetória política na presidência da República. Confesso que as notícias em torno dos últimos acontecimentos me entristecem bastante. Estou triste porque…